Home Notícias A aquisição e produção de um avião supersônico

A aquisição e produção de um avião supersônico

0
A aquisição e produção de um avião supersônico

blank

1. Introdução

A plataforma aeronáutica militar abrange o conjunto de aeronaves e equipamentos aeronáuticos utilizados em missões militares, que vão desde os aviões de combate, como o caça, até as aeronaves de transporte, treinamento, busca e salvamento. O Estado é o principal, talvez o único comprador, para a maioria dessas plataformas (FERREIRA, 2016). As aeronaves militares, por sua vez, são produtos complexos, pois são integrados por diversos sistemas e componentes, o que torna imprescindível para a sua produção a absorção de inovações tecnológicas, desenvolvidas por diversos ramos da indústria como a eletrônica, a mecânica e a de materiais.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Para tornar este negócio economicamente viável, os fabricantes adotam uma estrutura produtiva dual, ofertando produtos e serviços para o mercado militar e civil (FERREIRA, 2016; CROUCH, 2008; FRENKEN, 2000). A relevância deste assunto pode ser demonstrada em números. Para que se tenha uma ideia dos valores movimentados por este ramo, as empresas que fabricam as plataformas aeronáuticas militares apresentaram receitas na casa de US$ 181,2 bilhões em 2015. Nesse segmento, encontram-se empresas como as norte-americanas Lockheed Martin e Boeing, a britânica BAE Systems, a italiana Finmeccanica, a russa Russian Helicopters e a sueca SAAB (FERREIRA, 2016).

A empresa brasileira Embraer também atua neste ramo. Com foco voltado na fabricação de aviões, a EMBRAER ocupa uma posição de destaque no mercado internacional. Em 2021, a EMBRAER apresentou uma receita líquida de US$ 4,60 bilhões. Como dados, cumpre ressaltar que a indústria aeronáutica brasileira produz cerda de 60% dos aviões e 40% dos helicópteros utilizados nas Forças Armadas (ISTO É, 2022; FERREIRA, 2016; FERREIRA, 2009).

Considerando a relevância das informações anteriormente mencionadas e pelo fato de o Brasil ter adquirido recentemente a aeronave Gripen junto à empresa sueca SAAB, surge o seguinte questionamento: Como é realizada a aquisição e a produção de um avião supersônico?

Para responder este questionamento, este artigo está estruturado da seguinte forma: incialmente realiza-se uma breve introdução seguida do anúncio da pergunta que norteia este artigo. Na sequência, discorre-se sobre o planejamento estratégico para a aquisição do caça Gripen. Após, realiza-se uma apresentação sobre a cadeia de suprimentos para produção do caça Gripen. Depois disso, descreve-se sobre o modal de transporte utilizado para a entrega do caça Gripen ao Brasil. Em seguida, são tecidos alguns detalhes adicionais sobre o regime especial de tributação e a sua importância para a aquisição do caça Gripen. Na parte final deste artigo, são realizadas algumas considerações sobre a aquisição e a produção do caça Gripen.

2. O Planejamento Estratégico para a aquisição do caça Gripen

O Governo Brasileiro, de acordo com o planejamento estratégico previsto no Livro Branco de Defesa Nacional (LBDN), autorizou a Força Aérea Brasileira, por meio do projeto F-X2, a adquirir aeronaves caça de última geração, para cumprir um variado leque de missões, como a defesa aérea, o ataque e o reconhecimento aéreo (FERREIRA, 2016; BRASIL, 2020; FAB, 2021; SOUZA, 2021). Além da aquisição de novas aeronaves, outro objetivo é a obtenção e transferência de tecnologia importada, capacitando a indústria nacional a produzir aviões supersônicos (SAAB, 2021; SOUZA, 2021; FERREIRA, 2016).

Para isso, a Força Aérea Brasileira determinou alguns requisitos para as empresas interessadas no projeto F-X2, tais como: o Know-how para a fabricação de aviões supersônicos para a Embraer e suas parceiras nacionais, a adaptação da aeronave a necessidade do cliente, a construção de uma cadeia de suprimento complexa, a produção e montagem do avião, o transporte das aeronaves e a realização do suporte com o treinamento de pilotos e mecânicos (ABRACOMEX, 2022; SAAB, 2021; SOUZA, 2021; FERREIRA, 2016).

3. A Cadeia de Suprimentos para produção do caça Gripen

A fabricante sueca SAAB, responsável pelo avião Gripen, obedeceu a todos os requisitos técnicos e, assim, foi iniciada a aquisição de 36 aeronaves F-39 Gripen, ao custo de R$13,4 bilhões. A partir deste ponto, iniciou-se o planejamento para as atividades da cadeia de suprimento do caça Gripen, visando o seu desenvolvimento e produção (FERREIRA, 2016; FAB, 2021; SAAB, 2021; SOUZA, 2021).

Primeiramente, a SAAB empreendeu a prospecção de empresas nacionais, com a capacidade de fornecer materiais de alta tecnologia. Como resultado, a SAAB estabeleceu parcerias estratégicas com seis empresas e estas forneceram os insumos necessários à produção do caça Gripen, conforme discriminado a seguir:

Primeira Empresa – EMBRAER

Empresa responsável pelo desenvolvimento conjunto na área de engenharia, integração final, produção, ensaios em voo e suporte logístico (SAAB, 2021). A Embraer irá coordenar todas as atividades de produção no país, incluindo a integração dos sistemas, a montagem final, os testes em voo e as entregas para a FAB (SAAB, 2021; ANDRADE, 2016; STOCHERO, 2014).

Segunda Empresa – AKAER:

Empresa responsável pelo desenvolvimento das estruturas para aviação com o projeto da fuselagem traseira, fuselagem central, asas, portas do trem de pouso principal, local de instalação do canhão, assessoria na área de manufatura e de projetos elétricos (SAAB, 2021).

Terceira Empresa – AEL SISTEMAS:

Empresa responsável pelo fornecimento dos três displays de cabine do Gripen: o Wide Area Display (WAD), o Helmet-Mounted Display (HMD) e o Head-up Display (HUD). Em novembro de 2018, a AEL Sistemas passou a integrar a cadeia global da Saab (SAAB, 2021).

Quarta Empresa – ATECH

Empresa responsável pelo fornecimento dos simuladores, dos sistemas de treinamento e dos sistemas de apoio terrestre (SAAB, 2021).

Quinta Empresa –  SAAB AERONÁUTICA MONTAGENS

Empresa responsável pela produção de aero estruturas do cone de cauda, dos freios aerodinâmicos, do caixão das asas, da fuselagem traseira e da fuselagem dianteira (SAAB, 2021).

Sexta Empresa – SAAB SENSORES E SERVIÇOS DO BRASIL

Empresa responsável pelo suporte logístico e técnico para o radar, para o sensor de busca de alvos por infravermelho e para os sistemas de guerra eletrônica (SAAB, 2021).

Para o processo de fabricação dos caças Gripen, a EMBRAER e a SAAB estabeleceram um acordo para o desenvolvimento final e a produção da aeronave Os primeiros 21 caças serão produzidos na SAAB (situada na Suécia), na EMBRAER (situada em Gavião Peixoto-SP), na AKAER (situada em São Bernardo do Campo-SP) e na SAAB Aeronáutica Montagens (também situada em São Bernardo do Campo-SP). As 15 aeronaves restantes deverão ser totalmente montadas no Brasil, sob a liderança da EMBRAER (SAAB, 2021; ANDRADE, 2016; STOCHERO, 2014).

A fase final do projeto é a entrega do caça Gripen à Força Aérea Brasileira. As aeronaves serão entregues no Gripen Flight and Test Centre (GFTC), unidade conjunta da SAAB e EMBRAER, situada na cidade de Gavião Peixoto-SP. Neste local, os pilotos e técnicos, das empresas e da Força Aérea Brasileira, empreenderão os testes finais nos aviões, homologando os mesmos a efetivar os voos para diversas regiões e países. Depois disso, as aeronaves serão entregues em definitivo para a Força Aérea Brasileira, finalizando o projeto (VALOR ECONÔMICO, 2022).

4. O modal de transporte utilizado para a entrega do caça Gripen ao Brasil

Os aviões não poderiam vir voando da Suécia até o Brasil pelos seguintes motivos: o primeiro é a distância de 10.000 km entre os países. Tendo em vista que estas aeronaves possuem uma autonomia de voo de 4.000 km, as aeronaves precisariam fazer dois reabastecimentos, o que tornaria a operação muito custosa; o segundo motivo é a falta de habilitação da aeronave para o voo, que é concedida por uma autoridade aeronáutica (FOLHA DE S. PAULO, 2022; VALOR ECONÔMICO, 2022).

A solução foi transportar os aviões por navio. O modal de transporte marítimo é o modal mais utilizado no transporte internacional para longas distâncias, pois tem o menor custo de transporte, possui uma enorme capacidade de carga e pode carregar qualquer tipo de carga, como os caças Gripen (ABRACOMEX, 2022a).

Tendo como premissa de que as aeronaves chegariam no Brasil em portos, surgiram outros desafios a serem superados, quais sejam: o primeiro era relativo ao porto, que precisava estar situado próximo a um aeroporto, local de onde os aviões seguiriam voando até a Gavião Peixoto-SP; o segundo era otimizar o translado das aeronaves do porto até o aeroporto, pois evitaria que o mesmo ficasse exposto nas ruas da cidade. Desse modo, a escolha recaiu sobre o porto de Navegantes (SC), localizado a menos de 3 quilômetros do aeroporto internacional de Santa Catarina (AEROIN, 2022; NSC, 2022; VALOR ECONÔMICO, 2022).

Por conseguinte, os dois primeiros aviões foram transportados da Suécia para o Brasil. Depois de 23 dias, o navio cargueiro holandês Marsgracht, chegou ao porto de Navegantes, localizado no estado de Santa Catarina:

Figura 1 – Avião Gripen no seu primeiro voo no Brasil 

blank
Avião Gripen da Força Aérea Brasileira. (Foto: Divulgação)

 

5. O Regime especial de tributação e a sua importância para a aquisição do caça Gripen

Este complexo sistema logístico, envolvendo uma empresa estrangeira e diversas empresas nacionais, foi possível, devido a promulgação da lei nº 12.598/2012, que estabeleceu as normas especiais para compras, contratações e desenvolvimento de produtos e sistemas de defesa (BRASIL, 2012). Esta lei regulamentou o benefício do Regime Especial de Tributação para a Indústria de Defesa (RETID), permitindo que as empresas estratégicas de defesa nacionais participem em melhores condições competitivas nas licitações dos projetos de reaparelhamento das Forças Armadas brasileiras (SOUZA, 2021).

Por meio desta lei, as empresas da Base Industrial de Defesa, recebem benefícios fiscais que desoneram praticamente toda a cadeia produtiva, tanto no mercado interno, quanto para a importação. O RETID é aplicado sobre a Cofins. As exonerações de tributos contribuem para a redução dos custos de produção, permitindo assim, uma redução média de 36,87% no preço final dos produtos para as Forças Armadas brasileiras (SOUZA, 2021).

6. Conclusão

A aquisição de uma aeronave de combate, como o caça Gripen, é um projeto complexo e de difícil execução. Um avião deste tipo, com uma enorme quantidade de tecnologia embarcada, não é um item “de prateleira” disponível para comprar a qualquer momento. Para a sua obtenção, faz-se necessário um planejamento estratégico no nível do Governo Federal, envolvendo não só a Força Aérea Brasileira, como também, diversas empresas nacionais e estrangeiras.

No caso do Gripen, o resultado observado com a sua compra foi o enorme ganho tecnológico proporcionado às empresas brasileiras participantes da cadeia produtiva da aeronave, como por exemplo, a AEL SISTEMAS, que passou a integrar a cadeia global da SAAB, e a Embraer ,que está obtendo o know how para a produção de aviões supersônicos. Assim sendo, o Brasil alcançará a tão almejada autonomia na fabricação de caças de última geração, podendo no futuro, beneficiar-se com a exportação de aviões para outros países. Outro benefício alcançado foi a expertise na logística de transporte de cargas especiais para a FAB, e por conseguinte, para as Forças Armadas.

A atuação do Poder Legislativo Federal foi fundamental para esta empreitada, porque ao legislar sobre a Lei nº 12.598/2012, o Congresso Nacional contribuiu para a desoneração de impostos para as empresas da Base Industrial de Defesa. Dessa forma, as Forças Armadas brasileiras atualmente estão conseguindo adquirir produtos de defesa com uma redução de, aproximadamente, 36,87% do seu preço final.

Em vista do exposto, pode-se concluir que a aquisição e produção de um avião supersônico envolveu o Governo Federal, o Poder Legislativo Federal, a Força Aérea Brasileira, as empresas da base industrial de defesa, uma empresa estrangeira e uma grande parcela da sociedade brasileira, demonstrando a enorme relevância deste assunto para o Brasil.

 Referências Bibliográficas:

  1. ABRACOMEX. Módulo: Gestão de Projetos Especiais. Professor Celson Bertanha. 2022
  2. ABRACOMEX. Módulo: Logística Integrada e Supply Chain. Professor Daniel Montemurro Mourão. 2022a
  3. AEROIN. Afinal, por que os caças Gripen vieram de navio para o Brasil e não voando?. Disponível em: https://aeroin.net/afinal-por-que-os-cacas-gripen-vieram-de-navio-para-o-brasil-e-nao-voando/. Acesso em: 27 de abril de 2022.
  4. ANDRADE, Israel de Oliveira. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA. O fortalecimento da indústria de defesa do brasil. Texto Para Discussão, Brasília, p.1-60, mar. 2016.
  5. BRASIL. Lei nº 12.598, de 22 de março de 2012 – Estabelece normas especiais para as compras, as contratações e o desenvolvimento de produtos e de sistemas de defesa; dispõe sobre regras de incentivo à área estratégica de defesa. Brasília, DF: Presidência da República, 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03 /_ Ato 2011-2014/2012/Lei/L12598.htm. Acesso em: 23 de abril de 2021.
  6. BRASIL. Ministério da Defesa. Livro Branco de Defesa Nacional. Brasília, DF: MD, 2020. Disponível em: https://www.gov.br/defesa/pt-br/assuntos/copy_of_estado-edefesa /livro_branco_congresso_nacional.pdf. Acesso em: 23 de abril de 2021.
  7. CROUCH, T.D. Asas: uma história da aviação – das pipas à era espacial. Rio de Janeiro: Record, 2008.
  8. FAB. Força Aérea Brasileira. COPAC 40 anos. 2021
  9. FERREIRA, M.J.B. Dinâmica da inovação e mudanças estruturais: um estudo de caso da indústria aeronáutica mundial e a inserção brasileira. Tese de Doutorado em Economia na UNICAMP. Campinas: UNICAMP, 2009.
  10. FERREIRA, Marcos José Barbieri et al. Mapeamento da base industrial de Defesa. Brasília, DF: IPEA, 2016.
  11. FRENKEN, K. A complexity approach to innovation networks. The case of the aircraft industry 1909- 1997. Research Policy nº 29, p. 257-272, 2000. Disponível em: https://reader.elsevier.com/reader/sd/pii/S0048733399000645?token=380317EAB6E0F4FB8E9B15F2668CEF29068B3D6B12FF443305991E5DACF378F7DF407318920FC36E352E60801D654185&originRegion=us-east-1&originCreation=20220922165358. Acesso em: 23 de abril de 2022.
  12. FOLHA DE S. PAULO. Entenda por que os caças Gripen vieram de navio para o Brasil. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2022/04/entenda-por-que-os-cacas-gripen-vieram-de-navio-para-o-brasil.shtml. Acesso em: 27 de abril de 2022.
  13. ISTO É. Receita da Embraer teve alta de 15% em 2021.  Disponível em: https://ww w.istoedinheiro.com.br/receita-da-embraer-teve-alta-de-15-em-2021/. Acesso em: 27 de abril de 2022.
  14. OLIVEIRA, Luciel Henrique de. Comércio Exterior: fundamentos e organização. São João da Boa Vista: UNIFAE, 2021.
  15. NSC. Novos caças Gripen milionários da FAB são rebocados pelas ruas de Navegantes. Disponível em: https://www.nsctotal.com.br/colunistas/dagmara-spautz/n ovos-cacas-gripen-fab-rebocados-ruas-navegantes-fotos. Acesso em: 27 de abril de 2022.
  16. SAAB. GRIPEN E/F Colaboração real de sucesso – O caça do Brasil. Saab Technologies. Disponível em: https://www.saab.com/pt-br/markets/brasil/gripen-para-o -brasil. Acesso em: 26 de abril de 2022.
  17. SILVA, Lauri da. Regime Especial de Tributação para a Indústria de Defesa – RETID: uma análise sobre a sua aplicabilidade no Fomento a Indústria Aeroespacial Brasileira. Rio de Janeiro: Universidade da Força Aérea, 2018
  18. SOUZA, André Luiz Pereira de. Regime especial de tributação para a indústria de Defesa, importante instrumento de acesso para a Base Industria de Defesa na cadeia produtiva e de fornecedores de bens e serviços dos projetos estratégicos do Gripen e KC-390. Rio de Janeiro: ESG, 2021.
  19. STOCHERO, T. 15 caças Gripen serão montados no Brasil. G1 – O Globo, 27 de outubro de 2014. Disponível em: https://g1.globo.com/economia/negocios/noticia/2014 /10/15-cacas-gripen-serao-montados-no-brasil-diz-executivo-da-saab.html. Acesso em: 27 de abril de 2022.
  20. VALOR ECONÔMICO. Dois primeiros caças Gripen para uso da FAB chegam ao Brasil de navio. Disponível em: https://valor.globo.com/empresas/noticia/2022/04/02/ dois-primeiros-caças-gripen-para-uso-da-fab-chegam-ao-brasil-de-navio.ghtml. Acesso em: 27 de abril de 2022.

Fonte:

Ferreira, Rodrigo Tavares. A aquisição e produção de um avião supersônico. Observatório Militar da Praia Vermelha. ECEME: Rio de Janeiro. 2022.

Fonte: Defesa em Foco

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here